Projeto Colheita Feliz deixa pronta a 31ª horta comunitária, estreada no bairro Popular

?Outros mais de 30 pedidos de horta devem ser correspondidos em 2019

 Uma lavoura colorida e repleta de verduras, hortaliças e temperos sem agrotóxicos, saborosos e saudáveis. Estes são os alimentos encontrados nas hortas comunitárias do Projeto Colheita Feliz, idealizado pela Secretaria da Agricultura e Pesca. A 31ª horta comunitária, desta vez no bairro Popular, foi oficialmente entregue à comunidade na tarde ensolarada desta segunda-feira (17 de dezembro), em cerimônia acompanhada pelo prefeito Antonio Ceron; vice Juliano Polese; secretário da Agricultura, Osvaldo Uncini; outros secretários municipais; servidores; lideranças, e vereadores.

A horta foi aberta atrás da Unidade Básica de Saúde (UBS) do Popular, perto do Centro de Educação Infantil Municipal (Ceim) Iraci Souza Steink e do campo de futebol, em terreno utilizado pela Associação Bom Samaritano, área de concessão de uso por 15 anos, cedido pela prefeitura de Lages.

A Secretaria da Agricultura prepara o terreno, com colocação de palanques e cerca para proteger a área, adubação da terra, plantio de mudas de alface, beterraba, brócolis, cenoura, couve, e temperos, como cebolinha e salsinha, e serragem espalhada. Para ter direito, basta procurar o responsável pelo espaço, se engajando no comprometimento em contribuir no cultivo. As mudas são geradas no Horto do Guarujá, administrado pela Agricultura. O projeto é praticado com a parceria da União Rural de Lages (Unir).

Totalmente pronta, a horta é entregue aos cuidados da comunidade, público-alvo do projeto para atribuir independência como proposta. No bairro Habitação, cada família está cuidando de um canteiro, inclusive com uma placa de identificação.

Assim que se fizer a colheita, os moradores já podem pedir novas remessas de mudas. Deve ser um trabalho contínuo para efetivar a atividade, tornando-se um hábito de coletividade e dando sentido ao projeto. O objetivo é a distribuição justa e estabelecer responsabilidade na conservação para que os alimentos estejam sempre frescos e consumíveis, sem lavoura vazia. Técnicos da Secretaria visitam as hortas semanalmente para prestar apoio nos bairros.

Em 2017 foram montadas e inauguradas 17 hortas e mais 14 este ano. Mais de 30 pedidos aguardam na fila para receberem suas estruturas prontas depois de elaboradas pelos técnicos da Agricultura, e há manutenção posterior pelos próprios moradores dos bairros.

As reivindicações ao Colheita Feliz são feitas por equipamentos públicos, como escolas, creches, associações de moradores e centros comunitários. “O Projeto das hortas é um sonho antigo nosso que gostaríamos de tocar, iniciado quando fui secretário municipal da Agricultura em 1992. Com os trabalhos retomados, a partir de fevereiro de 2019 deverão ser atendidas todas estas solicitações. Há casos em que há hortas menores nas escolas, para fazer com que a criança seja instigada e estimulada a perceber a relevância do plantio e limpeza do canteiro, colocando a mão na massa, e aí em casa contam para os pais e reproduzem esta conscientização na família. Torcemos para que nas residências sejam também feitas hortas, para dar valor ao que vem da terra e saber de onde vem a comida que está todos os dias em nossa mesa”, salienta o secretário Uncini. A partir de 2019 serão premiadas as escolas e associações com o melhor cuidado com as hortas.

A Associação Bom Samaritano detém uma história de batalha social e seus ideais se encontram aos do Colheita Feliz. “O casal Susin (Olimpia e Nilso) tem uma vida de luta em favor dos que mais precisam. Que mais exemplos deste se multipliquem. Mais do que prover alimentos com a metodologia comunitária, a maior lição do Projeto é a questão pedagógica, a mudança do pensamento. Nós, gestores públicos, somos simplesmente o meio para que as coisas aconteçam e caminhem bem na comunidade”,  observa o prefeito Ceron.

A presidente da Bom Samaritano, Olimpia Susin Buogo, confirma ser a horta uma forma de ânimo para a população. “Mostrar que temos de plantar e colher, correr atrás, ensinar e aprender. Nas nossas capacitações a serem dadas na nova sede, de costura e panificação, falaremos de autonomia, e ensinaremos a cuidar da horta. Esperamos que todos se interessem em se preocupar, a caminhar com os próprios pés. Nós ajudaremos, inclusive os asilos.”

A instituição faz um trabalho social a partir da padaria beneficente; costura de enxovais para mães e bebês econômica e socialmente vulneráveis, com entrega no Hospital Tereza Ramos (maternidade) e bairros; distribuição de cestas básicas, e encaminhamento conjunto ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Centro POP e Centro de Atenção Psicossocial - Álcool e Drogas (CapsAD). A entidade atua lado a lado do Fórum das Entidades, Secretaria da Assistência Social, Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) e Banco de Alimentos.

Diariamente são fornecidos 1.500 pães para moradores de 23 bairros. As máquinas estão instaladas na igreja Assembleia de Deus no bairro Habitação. A sede da Bom Samaritano, onde o público é atendido, está na rua Irmã Laurinda, Centro, próxima à Praça Joca Neves.

Novo ambiente em construção

Os serviços de costura e confecção de peças de enxoval e padaria beneficente serão transferidos para o novo lugar, em frente à horta comunitária, com previsão de estar com as obras concluídas em mais três meses. O estabelecimento da Organização Não-Governamental (ONG), com 155 metros quadrados, está sendo erguido com custo praticamente zero. Tijolos, cimento, ferro e cal foram todos doados. Fundos financeiros foram arrecadados para a aquisição de telhas a partir de uma campanha de 100 amigos, ao valor de R$ 30 cada um. Os R$ 3 mil serviram para a cobertura.

Somente a mão de obra precisou ser paga, com recursos angariados durante os 16 dias de vendas de alimentos no Recanto do Pinhão Aracy Paim, angariando R$ 37 mil brutos, com total de R$ 14 mil líquidos depois de calculadas e quitadas as despesas, valor, portanto, destinado ao pedreiro.

 

Texto: Daniele Mendes de Melo

Fotos: Toninho Vieira e Pablo Gomes

 

 

Outras informações acesse o site: http://www.lages.sc.gov.br

Prefeitura de Lages